Como organizar as finanças no fim e inicio do ano

Os meses de dezembro e janeiro são sem dúvida os meses mais agitados do ano. Durante esse período, há preparação para festas como natal e ano novo. Em seguida, período de férias escolares. Mas como nem tudo são flores, as dívidas e impostos batem à porta. Regularizar as contas atrasadas até o fim do ano é a melhor forma de não começar o ano seguinte totalmente no vermelho.

Planejamento é essencial

Traçar metas e objetivos para o próximo ano auxiliam na execução de todas as suas vontades, e diminuem as chances de perder o controle sobre as finanças.

O planejamento para o pagamento correto das contas de casa, como: água, luz, telefone, internet, mercado, plano de saúde e etc. Tudo isso já é um passo importante para um ano financeiramente de sucesso.

As despesas tributárias, que não podem ser esquecidas, também devem estar descritas nesse planejamento. Por exemplo: parcelas do IPTU e IPVA, valor do licenciamento , declaração do Imposto de Renda e tantos outros.

Colocar no papel quais serão os gastos mensais, é uma maneira de se antecipar com os gastos que são fixos. Como esses que foram citados acima. Dessa forma, torna-se possível prever onde sobra e falta dinheiro.

Poupar vale a pena!

Depois de fazer o planejamento financeiro, preenchido com a renda de cada membro da família e os gastos previstos. Fica mais claro enxergar as quantias que podem ser aproveitadas. Nada é “sobra”, e pode se tornar investimento.

Se todos os 12 meses, conseguir poupar de R$100 à R$200, no fim do ano terá em média R$1.400 – R$2.400. Levando em consideração que esse dinheiro não será guardado em banco ou investido.

Com intervenção bancária, o dinheiro poupado rende algo a mais. Pode representar pouco, mas já faz diferença.

Esse valor pode ser usado, por exemplo, na compra dos presentes de natal, viagem de fim de ano, material escolar, ou investimento em si próprio.

Quando procurar ajuda?

Se o trabalhador for fichado em carteira, o fim do ano pode trazer surpresas boas como o 13° salário. Um complemento da renda mensal.

É indicado que a família, ou a pessoa individualmente, busque por ajuda quando perceber que está entrando em uma crise financeira. Se no fim do mês não sobrar nenhum valor, e ficar negativado.

Se antecipar, conversar com um especialista antes do fim de um ano e início do outro, ajuda a “respirar” nessa nova fase que vai começar.